Talvez eu tivesse que continuar secando lágrimas, abraçando o vento e rindo no vácuo

Postado por Dayanne às 15:06
“Só que aí eu acabei mudando. E foi mudança aos poucos, porque até hoje me dou conta de coisas minhas que já não estão mais lá e, quem roubou, eu jamais vou saber. O sorriso mudou e a vontade de sorrir pra qualquer pessoa também, graças a Deus. Foi por sorrir tanto de graça que eu paguei tão caro por todas as coisas que me aconteceram. Às vezes me pego olhando ao meu redor e vendo tanta menina parecida comigo. Tanto sentimento gritando de bocas caladas e escorrendo de peles secas. Tanta coisa acontece com a gente. Tanta gente passa pela gente, mas tão pouca gente realmente fica. E eu sei que, talvez, eu tivesse que ficar triste. Talvez eu tivesse que continuar secando lágrimas, abraçando o vento e rindo no vácuo, mas o fato é que eu não consigo. Eu não consigo mais ser triste só para mostrar que um dia eu fui - ou achei que tivesse sido - feliz. Aprendi com os meus próprios erros que sofrer não torna mais poético, chorar não deixa mais aliviado e implorar não traz ninguém de volta. Aprendi também que por mais que você queira muito alguém, ninguém vale tanto a pena a ponto de você deixar de se querer. Eu que gritei para tantas pessoas ficarem, hoje só quero mesmo é que elas sumam de uma vez por todas. E em silêncio, que é pra ninguém ter porque se lamentar.”
[Tati Bernardi
1 comentários

1 comentários:

Karen Guzzatti König disse...

Que legal seu blog.
Parabéns!Adoreii!!
Ja estou te seguindo.
Da uma passadinha la no meu blog tbm.
Um big beijo, fica com Deus e Xau Xau!!
http://karenbarbiepink.blogspot.com/

Postar um comentário

:a   :b   :c   :d   :e   :f   :g   :h   :i   :j   :k   :l   :m   :n   :o   :p   :q   :r   :s   :t

Olá, se você chegou até aqui não deixe de expressar sua opinião sobre o post :) Caso tenha um blog, não esqueça de deixar o link tá? Muito obrigado pela visita e volte sempre :)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Sentimento Singelo Copyright © 2012 - Design by Dayanne Cassimiro - Ilustração: Malipi